AdiSeg

Explosão destrói apartamentos na zona sul do Rio e deixa quatro feridos

Uma forte explosão em um prédio situado na rua Olímpio Mourão Filho, em São Conrado, bairro da zona sul do Rio de Janeiro, destruiu pelo menos nove apartamentos e deixou ao menos quatro pessoas feridas, segundo informações do Corpo de Bombeiros, no fim da madrugada desta segunda-feira (18), por volta das 5h40. Três das vítimas foram atendidas no local e liberados em seguida. Mais cedo, os Bombeiros haviam relatado que havia cinco feridos, mas corrigiram a informação.

O morador do apartamento onde houve a explosão, o alemão Markos B. Maria Miller, 51, ficou com ferimentos graves e foi levado para o Hospital Municipal Miguel Couto, na zona sul da cidade. A Secretaria Municipal de Saúde informou que a vítima sofreu queimaduras de segundo grau no tórax e no abdômen, além de lesões nas pernas e nos braços. O homem está acordado e agitado, de acordo com a secretaria, possivelmente em choque.

As outras vítimas, atendidas no local e liberadas, foram identificadas como Maria Lúcia M. Ache, 86, Sylsio A. de Azevedo Junior, 64, e Maria E. Franca Piedade, 89.

Em entrevista ao telejornal "Bom dia Rio", da TV Globo, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, afirmou que técnicos já estão investigando a causa da explosão, que ocorreu no 10º andar do edifício --que possui, no total, 19 pavimentos e 72 apartamentos. Todos os moradores foram retirados.

Segundo Paes, "há suspeita de vazamento de gás". "É uma fatalidade que tem que ser investigada. Não dá para um prédio explodir como se fosse uma bomba", disse. "Mas qualquer coisa agora é prematura." Questionado sobre quando os moradores poderiam retornar a suas casas, o prefeito apenas respondeu: "Não sei. O prédio não é meu".

Por conta do risco de desabamento, a rua Olímpio Mourão Filho --que fica próxima à favela da Rocinha-- foi interditada. Há grande quantidade de destroços, inclusive esquadrias e portas, no pátio interno do prédio, onde fica uma quadra de esportes. Também há destroços junto à piscina. A força da explosão chegou a afetar alguns prédios vizinhos ao do acidente, que tiveram as janelas estilhaçadas.

A Defesa Civil do município também foi acionada para apurar se a explosão danificou a estrutura do imóvel. De acordo com as informações iniciais, duas colunas teriam sido atingidas. Outros dois prédios vizinhos também podem ter sofrido danos estruturais. O subsecretário municipal de Defesa Civil, Márcio Motta, afirmou que todos os apartamentos foram atingidos.

Uma moradora, identificada como Renata Gonçalves, em entrevista à "TV Globo", afirmou por telefone ter abandonado um dos apartamentos ainda de camisola, após ser advertida por um vizinho. "Não sabia se era por causa das obras do Metrô", relatou ela. Segundo relatos de moradores, o impacto se assemelhou à sensação de um "terremoto".